top of page
Buscar
  • Algo Mais

Crenças limitantes em vendas

Mentora de vendas explica como destravar a mente e ter melhores resultados nas vendas de produtos, projetos e serviços


Por Iracema Ferro - Algo Mais Consultoria e Assessoria


Desde que nascemos ouvimos alguns conceitos que são transmitidos por gerações e pelos grupos sociais que nos rodeiam. Algumas destas falas são encorajadoras, mas outras nos deixam presos a uma ideia de que não conseguimos alcançar algum objetivo, seja ele qual for, pelos mais diversos motivos. De forma bem simplista, essas são as crenças limitantes que avançam nas mais diversas áreas da nossa vida, como saúde, educação, disciplina e, porque não, nas vendas de produtos, projetos e serviços.


A mentora de vendas Amanda Maria, que já treinou mais de 10 mil pessoas ao longo de sua carreira profissional, destaca que crenças são um conjunto de pensamentos e sentimentos que temos em relação à nossa vida, ao mundo e a nós mesmos. Elas são tudo aquilo em que acreditamos, que colocamos como verdade absoluta. Elas passam a ser limitantes quando deixamos de buscar algo que seja bom para nós por acreditar firmemente ser impossível ou bem pouco provável alcançá-lo por causa da nossa incapacidade.


“A vergonha de vender ou de falar em público, por exemplo, está muito relacionada ao medo de ser avaliado, criticado, ignorado ou rejeitado. Nas pessoas que têm esses tipos de medo, a tendência é acabar se fechando, como uma forma de se proteger, e isso acaba, na maioria das vezes, prejudicando o lado profissional”, analisa.


A especialista em ‘destravar’ o profissional para o mundo das vendas revela quais são as crenças limitantes mais comuns. “Uma das crenças mais constantes que eu ouço é de que o vendedor já nasce pronto. Na verdade, o ser humano não nasce nem andando, imagina vendendo. Essa é uma crença muito forte e quem coloca ela como uma verdade absoluta acaba não se abrindo para aprender o novo. Outra crença é que ser vendedor é ser um perdedor. As pessoas têm muito isso: eu não dei certo em outra profissão e agora estou vendendo. Eu não tenho profissão estabelecida e estou trabalhando com vendas’. Isso gera uma dor muito grande e inibe as pessoas de vender”, defende.


Ela aponta ainda que muitas pessoas, que já foram atendida por vendedores que se comportaram de uma forma errônea, empurrando produto, sendo ofensivo, agressivo na venda ou o enrolão, que usa de muita retórica e acaba fazendo o cliente adquirir um produto ou serviço que não precisa ou nem vai usar, acabam tendo a crença de que vender não é algo bacana, não querem ser igual àquele vendedor, não querem constranger as pessoas, nem fazer com que as pessoas passem por aquela experiência negativa que ela experimentou.


Mas, então, qual seria a saída para se livrar dessas crenças limitantes? Amanda Maria afirma que é importante identificar o que está bloqueando seu ato de vender ou de pelo menos aprender a vender. "Depois é necessário cuidar dele, criando crenças fortalecedoras. ‘Se temos pessoas de índole boa vendendo, eu também posso ser uma pessoa boa e trabalhar como um bom vendedor’. ‘Eu não nasci nem andando, eu posso sim aprender a vender’. Se abrir para o novo, assim como reconhecer que precisa de novos aprendizados e novas habilidades, é essencial para gerar essas mudanças necessárias para quebrar essas crenças, que são desnecessárias e só limitam o nosso desenvolvimento”, assinala.


A mentora em vendas destaca ainda que, quando a pessoa começa a interromper o padrão de pensamento negativo, ela vai começar a parar de gerar pensamentos limitantes e pode começar a vender mais. De acordo com ela, não existe mistério: você domina as ideias limitantes e começa a pensar que é capaz, que merece ser bem-sucedido, que consegue, que nasceu para triunfar, que sou vendedor e tenho orgulho disso. Ela defende que o conjunto de novas crenças tem esse poder de gerar um resultado positivo nas vendas.


“Eu vejo muito profissional liberal que estudou muito, mas não tem habilidades de vendas, sem saber se vender, sem saber o que é um pitch, qual o caminho do networking, como eu chego e o que que eu falo quando encontro as pessoas. Esses conhecimentos fazem toda a diferença quando entendemos que podemos transformar vendas em hobby”, assegura a especialista, que oferece diversos tipos de treinamento para empreendedores, profissionais liberais e grupos de vendedores para otimizar as vendas, alavancar os negócios e garantir uma melhor gestão dos colaboradores.

bottom of page